terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Utopia


Tudo parecia tão real: as pessoas em meio a cidade destruída, a penumbra e o anjo a me olhar. Me olhava tão minucioso como se estivesse lendo toda minh'alma e vendo tudo o que vivi. Parecia estar preste a me absolver. Quis correr do seu olhar, olhei em volta mas sua luz estava por toda a parte. Tinha medo de me aproximar, tinha medo dele se aproximar. Via a hesitação em seu olhar. As pessoas esbarravam em mim enquanto corriam parecendo que algo terrível estava por vir. Eu não me mexi. E como se ele tivesse que partir em alguns instantes se aproximou, devagar. Parecia que em cada passo realizava-se uma epifania. A cada passo eram apenas alguns segundos para chegar até a mim. E, finalmente, chegou. As mãos eram abrasadoras, tocando meu rosto e queimando - sem arder - cada pedacinho. Seus olhos eram perplexos, parecia que escondiam um tesouro em cada um. Encostou seu rosto no meu, fechando os olhos. Chegou mais perto e pude sentir seu hálito quente se aproximando do meu. De repente tudo sumiu. O barulho cessou e as pessoas pararam. Parecia que todos estavam congelados. Mais alguns instantes e voltaram como se nada tivesse acontecido. E eu nem quis entender, só pensava naquele anjo.

8 comentários:

  1. aai, que lindo isso aqui!...
    Textos, blog...
    Já está em minha lista.

    ResponderExcluir
  2. NOssa (:

    eu imaginei bastante isso.

    adorei esse post.

    ás vezes tenho sonhos relativamente indecifráveis
    assim,tais como estes.

    Bjs flor :**

    ResponderExcluir
  3. Nara

    Parabéns seus escritos são lindos

    ResponderExcluir
  4. Texto lindo e envolvente... viajei e senti como se as coisas estivessem realmente acontecendo.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  5. ha q lindo *.*
    Parabéns , escreve super bem :D
    Sonhos as vezes parecem muito reais.

    ResponderExcluir
  6. Nossa, fantástico! Amei o texto.

    ResponderExcluir
  7. lembrei-me de quando Shakespeare disse que não importam as noites, e sim os sonhos.

    belo post.

    ResponderExcluir

Diga-me você...