quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Nó(s) que não se ata.


Ontem à noite, fechei os olhos para ler o que restara de você em meu coração.

De todos esses anos em que houve um “nós” - tanto presente como ausente -, restaram apenas lembranças do teu sorriso meio bobo de quando ainda era menino fundido ao sorriso de homem que me sorriu há pouco. Restou o teu cheiro cravado em minha pele e em todos esses anos de desencontros. Restou a lembrança da tua voz ao meu ouvido e do teu toque antigo, que era quente – pois o de hoje já é frio assim como o sentimento que nos envolve. Teu modo de falar, de andar, de abraçar e de olhar... Tudo ficou na lembrança.

O teu olhar sempre me foi incógnita e o querer que havia por baixo dos teus sentimentos, angústia. Você, antítese. Assim como eu. E deve ser por isso que não conseguimos desvendar um ao outro. Muito parecidos para dar choque e nos aquecer pra sempre. A mesma linha reta nos regendo, sem nenhum desvio mínimo para deslizar e contestar. Nada. Apenas esse nós que de tão reto não se cruza nem se aceita. E de tão parecidos, um dos nossos lados é ausência.

Sem culpa, nos deixamos. E esse reencontro foi essencial para sanar o "e se..." antigo que nos rodeava e não nos deixava ir. Daqui pra frente, sem reticência, apenas ponto final.

(20 de outubro de 2011)

20 comentários:

  1. Que amor... Gostei do texto mocinha, estou com uma postagem nova no blog, também. Espero sua visita!
    Até a próxima.

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda não sei dizer ao certo se lembrança é algo ruim, ou é algo bom ... alias, é algo que me confundi, certas coisas quero me lembrar pra sempre (como o sorrriso dele) outras, não quero lembrar nem como a morte.

    ResponderExcluir
  3. nara, nem sei o que comentar. aliás, por isso que só agora to tentando fazer esse comentário sair, apesar de já ter lido o post muitas vezes.
    só sei que, independente da ausência dos sentires antigos, o ponto final é sempre um ato de coragem. e quanto ao que fica, não exatamente as lembranças, mas todo o aprendizado proveniente de mortes e renascimentos internos, faz a gente crescer de maneira absurda. todos esses ciclos de tristeza e felicidade deixam a alma maior do que ela já é. dá pra ficar satisfeita no final.

    sorte em tudo.
    beijos.

    ResponderExcluir
  4. ''Ontem à noite, fechei os olhos para ler o que restara de você em meu coração.''
    Confesso que começei a ler porque essa frase me chamou muito a atenção, mas ao decorrer, suas palavras me prenderam. E deu vontade de ler denovo e denovo e denovo.
    http://fearfulfeelings.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. ponto final é um modo de ir adiante!

    ResponderExcluir
  6. Olá Nara! Adorei os escritos! Muito belo teu blog! Já estou te seguindo!

    Sou músico e escritor.
    Estou agora num novo endereço www.diegoschaun.com.br com músicas, crônicas e videos num lugar só! Espero que goste. Aguardo tua visita!


    Abs, Bom domingo!!
    Diego

    ResponderExcluir
  7. As vezes um ponto final é tudo o que precisamos para poder seguir a vida...

    Muito perfeito como sempre, Nara!
    Beijos*:

    ResponderExcluir
  8. Nara, a reflexão que fiz enquanto passeei em tuas palavras - irritantemente belas, foi que reticências, algumas vezes, podem alimentar ilusões. Há quem prefira namorar o "e se" por medo de arriscar, por insegurança. Não sabem que um ponto final é pré-requisito para o início de um outro parágrafo, até mesmo outra história. A gente fecha os olhos, coloca o coração nas mãos e recomeça. E escreve uma história ainda mais cheia de bonitezas em cores.

    Certas coisas, enquanto termináveis, sem culpa, de um jeito simples, são melhores por assim ser.



    Há algo de extraordinário nas tuas palavras que a tornam particulares. Lindas e verdadeiras como poucas.

    ResponderExcluir
  9. É terrivel essa sensação de "E se...". Melhor ponto final que reticências tortas...
    Lindo, lindo.

    ResponderExcluir
  10. Belíssimo texto...adoro esta escrita intimista carregada de sentimento! Parabens moça!

    ResponderExcluir
  11. "Daqui pra frente, sem reticência, apenas ponto final."
    Quem dera eu saber onde e quando coloco o ponto final. A vida me entorta. Quando coloco ponto final, ela poe vírgula em baixo.
    ;

    ResponderExcluir
  12. Encantada!

    (suspiro)

    Beijo moça de lindas palavras.

    ResponderExcluir
  13. eu sempre acho que o mundo é dividido entre pessoas que me amam e as que me odeiam..
    logo, as que n falam comigo, n me amam.. então me odeiam, procuro não analisar muito os olhos, a menos que sejam situações surpresas, pois as pessoas hoje em dia estão falsas a ponto de burlar olhares e mãos tremulas...!

    @juhhouse

    Estamos criando uma página no face se puder curtir divulgar...
    http://migre.me/60BWb
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Encontrei por acaso seu blog e li exatamente todas as palavras que estavam ecoando na minha mente. Você já deve ter escutado muito isso, mas você escreveu tudo o que eu precisava ler. Lindíssimo seu lirismo. Estou seguindo.

    Beijos, Bia.

    ResponderExcluir
  15. Nossa menina! O texto penetrou fundo em mim, cravou lembranças e apostou em reflexões incríveis. Me perdi em linhas tão perfeitamente edificadas. Meus sinceros Parabéns!

    Beijo , :*

    ResponderExcluir
  16. é melhor ter o coração codificado - quero ver se alguém consegue ter - a ter muitas reticências.

    eu te liguei nas semana passada ou retrasada, menina mt querida por mim...só chamou...sem ng atender =/

    vc nunca vai ter ''a verdade a ver navios''... sempre haverá algo bem exclamado em teu caminho. creia!

    ResponderExcluir
  17. E assim se segue a vida...

    Belo texto, muito bom conhecer teu espaço...

    ResponderExcluir
  18. Ponto final.

    parágrafo.

    Dois dedos. tudo novo.

    ResponderExcluir
  19. Com um ponto final e seguindo uma vida, a sua vida.

    ResponderExcluir

Diga-me você...