segunda-feira, 16 de abril de 2012

Cumplicidade florida


O viver latente desnudou-me a alma
O coração contente sorriu.
De alma e corações cúmplices,
meu corpo, de amor, floriu.

9 comentários:

  1. simples, doce, intenso, puro sentimento.
    Amei, de verdade. Beijos, Bia.

    ResponderExcluir
  2. É primavera por aí?

    Que lindo esse colher de flores. Que linda a menina que enfeita seu jardim. Jardim interno dela. Flores nossas. Primavera. Estação de poesias. Deixemos abertas as janelas. Desabrochemos.

    Quanta delicadeza e sensibilidade, Nara.
    Entre suas palavras, tantos suspiros meus. Me deixou voando em nuvens floridas querendo espiar o pôr-do-sol.

    Saudade, querida.

    ResponderExcluir
  3. Simples, desconcertante e maravilhoso. Uma única estrofe, quatro poucos versos e que sinfonia perfeita.

    ResponderExcluir
  4. Alma que desnuda-se pelo viver latente, deve ser admirada.

    ResponderExcluir
  5. Pois o coração e a alma são em nós, o que de mais vivo existe.O resto é apenas uma limitação para aqueles que precisam da visibilidade da matéria.

    Beijos querida!

    Fernanda

    ResponderExcluir
  6. dos presentes que moldam a alma e o viver dos intensos...bjs moça!

    ResponderExcluir
  7. Porque é assim que o amor floresce, né? Quando encontra pelo caminho almas e corações cúmplices...

    Obrigada por me trazer até aqui. Obrigada pelo comentário. Adorei ter vindo até aqui.

    Beijos

    ResponderExcluir

Diga-me você...