sábado, 27 de agosto de 2011

O exílio

Primeiro eu me exilei. Fiz retiro comigo mesma e pretendo continuar a fazer. Essa faxina de dentro pra fora não é fácil. Dói, mas só dói no começo. Depois, você até consegue olhar para algumas coisas -coisas que antes te fariam sentir um nó na garganta e até mesmo te fariam chorar- e deixar os lábios se armarem em direção às orelhas. Tive medo de tocar no passado e não conseguir resgatar minha mente e meu coração. Tive medo de não sucumbir e de alguma forma tentar resgatar a pontinha que restou dentro de mim daquilo tudo que eu era. Mas a maturidade sempre bate à porta. Amadurecer é exercício diário e não vem do nada. Requer tempo e paciência.
No início deixei que minha mente vagasse o quanto quisesse, vasculhasse na memória os momentos bons e também os ruins. Deixei que ela vivesse e morresse naquilo tudo que já havia sido escrito e vivido. Depois, deixei que o coração tomasse partido e que se partisse também. É do partir que se faz o inteiro. Depois de muito sentir, deixei que o coração descansasse, batendo num ritmo mais tranquilo e vivo. E então foi a vez do corpo sentir falta. Foi a vez da pele querer, fazer e acontecer. Tomei banho demorado, fiz massagem em mim mesma e sacudi os fragmentos de passado que ainda residiam em mim.
Deixei que os dias passassem e que eu inteira experimentasse o que era novo. E realmente tem sido novo. A casa pode ser a mesma, as roupas e o perfume também; mas o meu olhar sobre todas essas coisas é novo. Sobretudo o meu olhar sobre mim mesma.
Tentei adiar o quarto. Era lá que o mais palpável residia. Me pareceu tão escuro e perturbador que tive que mudar a lâmpada de lugar. Hesitei, pois faxinar o quarto e remexer nas gavetas é abrir o baú das recordações. Respirei fundo, coloquei minhas músicas mais calmas e adentrei naquilo que era tão meu mas que já me era desconhecido.
As cartas -ah, as cartas-, tão vivas, tão sentimentais e emocionais, e ainda há aquelas que não foram nem mesmo entregues. Os bilhetes, os textos começados e jamais terminados, a flor grudada na parte de dentro do guarda-roupas, as fotos que não foram postas nos porta-retratos, os sorrisos e as lágrimas que eu ainda pude ouvir escondidos nos cantinhos de todas essas coisas. Algumas dessas miniaturas de passado eu guardei, umas na memória -para serem lembradas num dia de sol que há de vir e também quando chover, porque a chuva também há de aparecer- e outras em caixas. O restante foi para onde deveriam ir de fato. Com o tempo eu também aprendi o valor do desapego.
Ao final do processo permiti que minha mente vagasse mais uma vez e mais demoradamente sobre todas as coisas. De tudo, ficou o essencial. Num primeiro momento eu permito que o passado fique em caixas. Depois, quem sabe...

20 comentários:

  1. Há momentos em que é absurdamente necessário fazer uma faxina em nossa vida, em nós e muitas vezes isso machuca, faz lágrimas cairem, mas precisamos nos livrar daquilo que nos impede de chegar até a felicidade. Boa sorte com as constantes mudanças que estão por vir.
    Como sempre, texto incrível (:
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. É interessante, o fato de eu ter publicado ainda a pouco um texto, no qual falo da experiência de me permitir viver coisas novas, assim como você.
    Beijos
    Ótimo texto.

    ResponderExcluir
  3. "Amadurecer é exercício diário e não vem do nada. Requer tempo e paciência."
    Faxinar a alma de vez em quando nos deixa mas leve.
    Você sempre me emocionando♥

    ResponderExcluir
  4. por que guardamos coisas que no fazem sofrer?

    ResponderExcluir
  5. li duas vezes. comecei a lagrimar na metade da primeira, e na segunda já estava com o rosto todo molhado. é porque eu to passando por algo realmente complicado, e to me sentindo quebrada em pedacinhos bem pequenos. quase pó. e é difícil se reconstruir, acredito que saibas... enfim, teu texto realmente me tocou de um jeito bem intenso. lindo o que você escreveu, e lindo todo o teu crescimento também.

    beijo grande.

    ResponderExcluir
  6. Texto puro, lindo, real. Gostei muito, e acho que preciso de uma faxina em mim, de dentro pra fora como você bem colocou!
    Lindo blog, parabéns! :)
    (seguindo)

    ResponderExcluir
  7. Palavras essencialmente fantásticas! Talento e sensibilidade à flor da pele nesse jardim de emoções chamado Horto do viver!

    Fraterno Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Lindo texto!!
    Amei, de verdade.
    Já quis muito pegar todo o passado guardar em caixas e enterrar bem longe e bem fundo. Já até agi assim;
    Mas é ilusão... só depois vi que era em vão jogar tudo fora e deixar o que importa.
    Hoje faço exatamente o contrário. Guardo um cantinho pra cada mágoa, cada felicidade e dou a mesma importância pra tudo o que me fez crescer. De um jeito, ou de outro.

    ResponderExcluir
  9. As vezes é preciso se exilar assim. E amadurecer todo o "eu". E recolher as melhores memórias. Lindo esse texto. Um beijo grande, Ana.

    ResponderExcluir
  10. Faxinas são sempre necessárias em nossas vidas a partir do momento em que tem algo incomodando. As vezes é difícil mas quando terminamos o resultado é gratificante, nos sentimos mais leves e maduras.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Me identifiquei totalmente com seu texto. Estou passando por essa fase. Uma grande parte já foi. Agora falta outra, que talvez seja ainda maior. Mas irei. Sempre. Em frente.

    ResponderExcluir
  12. Adorei !
    Beijos, beijos,
    Ana Sílvia Diniz.
    http://www.anasilviadiniz.com/

    ResponderExcluir
  13. Varrer cantos, recolher cacos e bugigangas, destroços e amontoados, limpar pós e teias de aranha, ô coisa pra dar trabalho , né. Incomodar, fazer calos. Mas é tão necessário.

    É quase vital a necessidade de enfrentar o caos dos próprios cômodos, colocar muros abaixo, fecundar os terrenos baldios com as lágrimas que chovem do rosto e com a labuta da alma. Coisa de gente que vive demais. Sente demais. Assim, como você, Nara. Assim como a coragem e a verdade que se revela nas tuas vírgulas e pontos. E na tua poesia, em prosa.

    Amo o que você escreve. Sempre.

    ResponderExcluir
  14. E a gente pega as caixas e as despacha, assim quem sabe doam menos. Adorei Nara!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  15. É que a gente tem mania de guardar tudo o que nos é importante, seja bom ou ruim, apenas guardamos e nos deixamos colecionar o que pode ser totalmente descartável, percebemos a bagunça que insiste em nos adentrar e se acumular pelos cantos de nós, e fingimos não ver, adiamos a faxina pra depois, pra um depois que parece nunca chegar, e é dessas que precisamos.
    Nara, tudo lindo demais, como sempre. :3

    ResponderExcluir
  16. Texto bem reflexivo, gostei muito das linhas abordadas em suas palavras, bem rico em detalhes.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  17. E aqui também, eu digo-lhe algo no mesmo sabor que num comentário que fiz hoje: eu fico admirado com a decisão que toma com o que acontece com você. A lucidez e o discernimento com que consegue viver sabiamente um sofrimento para depois renascer mais facilmente. Eis este trecho:

    «Deixei que os dias passassem e que eu inteira experimentasse o que era novo. E realmente tem sido novo. A casa pode ser a mesma, as roupas e o perfume também; mas o meu olhar sobre todas essas coisas é novo. Sobretudo o meu olhar sobre mim mesma.»

    Eu teria muito o que dizer, mas me faltam as palavras acertadas, que os meus silêncios contemplativos preencham o espaço que faltou no dizível deste comentário...

    ResponderExcluir

Diga-me você...